quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

LANÇAMENTO DE "BLUE", DE LUCAS VIRIATO NO CEP 20.000


Convido a todos para o lançamento do meu novo livro "Blue". Ele será apresentado dentro do CEP 20.000, palco profano da poesia carioca. Além de poder conferir o livro artesanal, será possível ouvir a leitura de alguns poemas dele e dos livros anteriores desta série: "Curtos e curtíssimos" e "Corpo pouco". Todos os livros estarão à venda por R$ 5,00!

Agradeço muito a Alexandre Bruno Tinelli, Helena Martins, Marilena Moraes, Mariana Dias, Patrícia Carneiro, Santiago Perlingeiro e mestre Chacal!

Espero vocês!



LANÇAMENTO DE BLUE
De Lucas Viriato
16 de dezembro de 2015, a partir das 19:30
R$ 5,00 (aceita cartões)


CEP 20000
Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto
Rua Humaitá, 163, Humaitá, Rio de Janeiro.
Telefone: (21) 2535-3846

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Sábados de setembro: Poesia Agora em São Paulo



Os sábados de setembro estão mais do que especiais no palco da exposição Poesia Agora, no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo. Alegria pura poder ser participar e ser um instrumento para a realização deste grande projeto. Um agradecimento especial para todos os envolvidos. Espero vocês lá!

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

As plantas


devagar e contínuas
amarelam e morrem
sem bulir contigo

domingo, 26 de julho de 2015

Poesia Agora: sábados de encontro no museu!



Os sábados de sarau da exposição Poesia Agora estão imperdíveis. Está sendo uma enorme alegria realizar este projeto repleto de encontros. Participe conosco no Museu da Língua Portuguesa, na Estação da Luz, em São Paulo!

quinta-feira, 18 de junho de 2015

POESIA AGORA NO MUSEU DA LÍNGUA PORTUGUESA, EM SÃO PAULO!



É com toda a alegria que convido aos amigos, parceiros de projeto e todos os poetas e amantes da palavra para a exposição Poesia Agora, no Museu da Língua Portuguesa, na Estação da Luz. Projeto que tive a honra de ser o curador e que chega como uma evolução da uma década de trabalho no Plástico Bolha, unindo autores de todo o Brasil em um encontro inesquecível de poéticas e poetas.

sábado, 23 de maio de 2015

Auspício


Hoje, me disse que havia visto aves voando no céu.

Algumas coisas perguntei, ou quis ter perguntado, já não sei muito bem:
1) De que cor eram esses pássaros? Era possível identificar sua espécie?
2) Qual o número exato do bando?
3) Estavam agrupados? De que modo? Havia pontos fora da linha?
4) Traziam algo no bico? Comeram? Cantaram?
5) Foi possível ver o seu pouso? Por quanto tempo puderam ser vistos?
6) A que hora do dia foram avistados? Co-incidiram com o crepúsculo, com a aurora?
7) Para que lado voavam na sua visão? Esquerda ou direita? Para cima ou para baixo?
8) Para que direção voavam na visão do planeta? Norte, sul, leste, oeste?
9) Alteraram sua rota conforme o voo? Plainavam ou batiam as azas?
10) Vinham? Iam? Ou (nunca) por acaso foi uma passagem totalmente paralela?

Ora, não me diga ter visto o voo das aves no céu.